Um choque de realidade para financiamentos sustentáveis

Medicina Notícias

A alocação dos recursos arrecadados com a dívida sustentável representa outro desafio. Os fundos captados por meio de títulos verdes se concentram apenas em uma pequena parcela dos setores, como energia renovável, transporte limpo e construção verde. Alguns desses setores já são economicamente competitivos, o que significa que podem ter formas competitivas em termos de custo para compra de energia limpa ou veículos elétricos. Portanto, eles não exigem um instrumento verde para demonstrar que têm credenciais verdes ou para fornecer um incentivo, como uma taxa de juros mais baixa.

A adaptação climática corresponde apenas a cerca de 1% na alocação de títulos verdes, enquanto a biodiversidade corresponde a apenas 0,2%. Isto mostra que os títulos verdes raramente servem para financiar grandes desafios. Os stakeholders que estão considerando os financiamentos sustentáveis para o próximo grande problema ambiental podem precisar repensar sua decisão.

Estratégias de financiamento da transição

Os financiamentos sustentáveis também incluem outro tipo de financiamento chamado de financiamento de transição. Como um mercado de US$ 18 bilhões, o financiamento da transição idealmente financia a grande parte da economia que ainda emite carbono, mas que tem planos de transição para atingir metas climáticas. Esta é uma categoria emergente que vem recebendo uma atenção significativa dos reguladores e dos participantes do mercado financeiro, mas os problemas em torno de suas definições e credibilidade reduziram suas emissões anuais para US$ 4 bilhões no ano passado em relação a US$ 5 bilhões em 2021.

A Aliança Financeira de Glasgow para Zero Emissões Líquidas (GFANZ, na sigla em inglês) identificou quatro estratégias necessárias para financiar uma transição de toda a economia para a neutralidade de carbono, que incluem o financiamento ou a facilitação do seguinte:

  • Desenvolvimento e dimensionamento de soluções climáticas
  • Foco em ativos ou empresas já alinhados a uma meta de 1,5 graus Celsius
  • Foco em ativos ou empresas comprometidos com a transição de acordo com metas de 1,5 graus Celsius
  • Eliminação acelerada e controlada de ativos físicos de alta emissão

Essa transição exigirá uma definição comum de financiamentos de transição, bem como metodologias comuns para medir os impactos. Essas metodologias precisarão ser aplicáveis em todos os mercados e setores para dimensionar os financiamentos de transição e fornecer a descarbonização de toda a economia, além de ajudar as instituições financeiras a padronizar a identificação de riscos e oportunidades.

A padronização de definições e metodologias pode ajudar instituições financeiras a avaliar investimentos mais complexos. Com um veículo elétrico, fica mais fácil identificar o potencial de retorno, pois há resultados concretos. Porém, com algo como biodiversidade, um investidor não consegue enxergar os impactos com tanta facilidade quanto com um produto físico, como um veículo ou um prédio verde.

As dificuldades de supply chain também são um problema quando se trata de como as empresas estão se movendo em direção à sustentabilidade. Muitas supply chains têm elementos que ainda não contam com processos de Sustentabilidade Comunitária Global (CSG) estabelecidos, e pode não ser prático mudar de fornecedores. Portanto, incentivar estes fornecedores pode ser o caminho mais eficaz rumo a uma supply chain sustentável.

A maioria das grandes empresas tende a usar seus processos de CSG como uma estratégia competitiva e não como um imperativo moral, o que resulta em um problema para definir quais são os impactos desses processos de CSG. Isso ocorre porque os planos de transição tendem a ser específicos da empresa, em vez de serem guiados por estruturas e processos globais padronizados para expansão.

Para medir os resultados reais de CSG, é possível empregar vários indicadores:

  • O nível de intensidade de carbono ao longo do tempo por unidade de produção (os dados para isso precisam de uma filtragem muito precisa para estabelecer uma métrica válida)
  • Padronização de metodologias de divulgação de dados
  • Dados mais disponíveis e precisos no campo de emissões
  • Métricas que não sejam puramente baseadas em carbono, mas que também comparem o quanto de energia de baixa emissão de carbono é usada em relação à energia de alta emissão

Estes indicadores podem impulsionar um foco muito mais forte nos resultados de sustentabilidade que são mais complicados de abordar do que a descarbonização, incluindo adaptação, mitigação e biodiversidade — todos cronicamente carentes de recursos e também sub-representados nas estratégias corporativas de CSG.

Saiba mais sobre como o setor financeiro está trabalhando para lidar com as mudanças climáticas em nosso blog ou assine nossa newsletter para obter mais insights sobre como medir os rendimentos de sustentabilidade. Precisa de ajuda para identificar oportunidades na área de financiamentos sustentáveis? Fale conosco.

Fonte: Externa

BRAIP ads_banner